Portal V1

Recesso termina e Justiça Eleitoral deve julgar processos de Valença

24/01/2017

Promotora eleitoral Drª Debora e juiza eleitoral Drª Keilla

Com o fim do recesso, nessa segunda-feira (23), a Justiça Eleitoral deve deverá se pronunciar em relação aos processos eleitorais na cidade de Valença do Piaui. No dia 14 de dezembro, a juíza eleitoral Drª Keylla Ranyere Lopes Teixeira, declarou inelegíveis por 8 anos e cassou os votos de 17 candidatos a vereador que disputaram o pleito eleitoral em Valença, através das coligações Compromisso com Valença I e II.

Os candidatos foram acusados de não respeitarem a Legislação Eleitoral no que diz respeito aos registros de candidatura do sexo feminino que determina que cada coligação deve ter no mínimo 30% de candidaturas do sexo feminino por coligação.

Pela decisão estão inelegíveis os candidatos: Assis Torres, Jeová Bonfim, Osmar Alves, Pedro da Tranqueira, Raimundo Brancão, Neide Rosa, Ivaltania Nogueira, José Gomes, Manin Lima, Atêncio Queiroga, Cicero da Rodoviária, Carlos Augusto, Professor Toinho, Raimundo Xavier, Geórgia Lima Verde, Maria Eugenia e Magali Silva.

De acordo com a Justiça Eleitoral todos os candidatos envolvidos no processo recorram da decisão que esperam um parecer da magistrada que pode reconsiderar sua decisão. Caso a mesma não reconsidere, o processo seguirá para o Tribunal Regional Eleitoral.

Caso Benoni Sousa

O processo que envolve o vereador Benoni Sousa que foi acusado pela Justiça Eleitoral de ter sido omisso em relação a gastos eleitorais referentes a uma despesa de R$ 625 reais já está no Tribunal Regional Eleitoral aguardando uma decisão da corte.

Caso as decisões sejam mantidas haverá uma nova recontagem de votos para vereador o que implicará na mudança de nomes dos eleitos em 02 de outubro para o Parlamento Municipal.

Compartilhe

1 Comentário

  1. Antonio Alves de Araújo em 24/01/2017 às 19:57

    A Justiça Eleitoral faz um belo trabalho no nosso município, é realmente necessário agir dessa forma para corrigir os absurdos praticados pelos maus políticos.

Deixe seu comentário