Valença do Piauí, 16 de jan, 2021

Trabalhador valenciano ganhará festa em seu dia. Confira

<img class="size-full wp-image-3524" title="santarosaed" src="http://port

alv1.com.br/wp-content/uploads/2010/04/santarosaed.jpg” alt=”” width=”300″ height=”183″ />

Vista do Balneário Santa Rosa

Reginaldo Araújo (Folha Valençana) irá realizar no próximo dia 1º de maior a tradicional festa do Dia do Trabalhador, no Balneário Santa Rosa. A festa terá a animação do Cheiro da Terra e BB Sanfoneiro. A opção é uma boa pedida para o primeiro de maio, que esse ano será no domingo.

Além da boa musicalidade e das opções gastronômicas, os participantes terão a sua disposição todas as belezas naturais do Balneário Santa Rosa, que dispensam apresentações.

A entrada terá preços promocionais e total segurança para você e sua família. A Banca do Hélio no Terminal Rodoviario apoia o evento.

2 Comentários

antonio de picos

Valença não é só politica,tambem tem cultura.Eu queria que todos os dias esse portal falasse coisas boas de valença,não só coisas negativa que assusta e faz com quer os turista se afaste da minha cidade,quem deveria ir embora não vai como estes forasteiros que tomam conta da nossa cidade.

14 abr, 2011 Responder

vicente izidorio soares

Em 1886, a cidade de Chicago, um dos principais pólos industriais dos Estados Unidos, foi palco de importantes manifestações operárias. No dia 1° de maio, iniciou-se uma greve por melhores salários e condições de trabalho, tendo como bandeira prioritária a redução da jornada de trabalho de 13 para 8 horas diárias. Os jornais a serviço das classes dominantes, imediatamente se manifestaram afirmando que os líderes operários eram cafajestes, preguiçosos e canalhas. No dia 3 de maio, a greve continuava, e na frente de uma das fábricas, a polícia matou seis operários, deixando 50 feridos e centenas de presos. No dia 4, houve uma grande manifestação de protesto e os manifestantes foram atacados por 180 policiais, que ocasionaram a morte de centenas de pessoas. Foi decretado “Estado de Sítio” e a proibição de sair às ruas. Milhares de trabalhadores foram presos, muitas sedes de sindicatos incendiadas e residências de operários foram invadidas e saqueadas. Os principais líderes do movimento grevista foram condenados à morte na forca. Spies, Parsons, Engel e Fisher foram executados no dia 11 de novembro de 1886, enquanto que Lingg, também condenado, suicidou-se.

28 abr, 2011 Responder