Portal V1

Ex-prefeito de Novo Oriente pagou R$ 3,3 milhões a foragido da Polícia Federal

11/12/2017

Ex-prefeito de Novo Oriente, Marcos Vinicius

No último ano do seu mandato em Novo Oriente, o então prefeito Marcos Vinícius, hoje coordenador do programa de modernização e qualificação de empreendimentos públicos do governo do estado, pagou exatos  R$ 3.309.367,03 a um empresário foragido da Justiça Federal.

A empresa que recebeu esses valores foi a Vitor Alves Cardoso Neto Eireli, que para a Polícia Federal é de “fachada”. Todos os pagamentos foram realizados no ano de 2016. Os dados são do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e foram repassados para o vereador Luís Lopes (PTB).

Segundo o relatório da Corte de Contas, obtido pelo Blog Bastidores, do 180, existiram 28 repasses ao longo de 2016, sendo o maior deles um ocorrido em 6 de janeiro de 2016 – início de um ano eleitoral, no valor de R$ 1.463.963,96, através de conta da Caixa Econômica Federal.

A terceiros, o atual coordenador do governo do estado dizia que o proprietário da empresa para onde foi esse dinheiro era um “empreendedor”.

Trata-se de Vitor Alves Cardoso Neto, um jovem de apenas 25 anos, foragido da Polícia Federal, e que diz não se entregar por achar sua prisão “ilegal” – mesmo suspeito de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e corrupção, com prisão preventiva decretada embasada em relatório da Controladoria Geral da União (CGU) e investigações e incursões da Polícia Federal.

OS PAGAMENTOS FEITOS NA GESTÃO MARCOS VINÍCIUS

A empresa de “fachada” de Vitor Neto recebeu inúmeros pagamentos de vários órgãos do governo de Novo Oriente em 2016.

Os órgãos são a Secretaria Municipal de Obras e Transportes e Serviços, Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação (FUNDEB), Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, Fundação Municipal de Saúde, Secretaria Municipal de Educação e Cultura e Secretaria Municipal de Saúde.

Veja os valores e as datas:

1 – Secretaria Municipal de Obras, Transporte e Serviços: R$ 1.463.963,96 (Dia 06/01/2016)      

2 – Secretaria Municipal de Obras, Transporte e Serviços: R$ 188.406,19 (Dia 03/02/2016)

3 – FUNDEB: R$ 14.122,50 (12/02/2016).

4 – Secretaria Municipal de Esporte e Lazer: R$ 341.250,00 (29 /02/2016)

5 – Fundo Municipal de Saúde: R$ 12.848,00 (24/05/2016)

6 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 1.959,00 (24/05/2016)

7 – Secretaria Municipal de Educação e Cultura: R$ 14.200,00 (24/05/2016)

8 – Secretaria Municipal de Esporte e Lazer: R$ 210.959,00 (24/05/2016)

9 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 131.800,00 (26/08/2016)

10 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 19.917,00 (31/08/2016)

11 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 29.760,00 (31/08/2016)

12 – Secretaria Municipal de Obras, Transportes e Serviços: R$ 188.406,19(19/09/2016)

13 – Secretaria Municipal de Educação e Cultura: R$ 6.300,00 (22/09/2016)

14 – Secretaria Municipal de Obras e Transportes e Serviços: R$ 12.000,00 (22/09/2016)

15 – Secretaria Municipal de Obras e Transportes e Serviços: R$ 8.200,00(22/09/2016)

16 – Secretaria Municipal de Saúde: R$ 10.500,00 (22/09/2016)

17 – Secretaria Municipal de Esporte e Lazer: R$ 140.175,19 (27/10/2016)

18 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 102.400,00 (06/12/2016)

19 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 38.000,00 (12/12/2016)

20 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 50.400,00 (15/12/2016)

21 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 79.668,00 (30/12/2016)

22 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 81.455.72 (30/12/2016)

23 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 51.100,00 (30/12/2016)

24 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 10.764,95 (30/12/2016)

25 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 10.709,96 (30/12/2016)

26 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 4.353,82 (30/12/2016)

27 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 81.455,72 (30/12/2016)

28 – Fundação Municipal de Saúde: R$ 4.298,00 (30/12/2016)

TOTAL: R$ 3.309.367,03

MARCOS VINÍCIUS E A INTENÇÃO DE SAIR A DEPUTADO FEDERAL

Ligado ao deputado estadual Evaldo Gomes (PTC), Marcos Vinícius é acusado de desviar recursos do fundo previdenciário do município de Novo Oriente em valor superior a R$ 1 milhão durante o período eleitoral de 2016.

E por isso teve suas contas bloqueadas por determinação judicial, após intervenção do Ministério Público. Como prêmio obteve uma coordenadoria no governo do estado.

Vinha dizendo que iria se candidatar a deputado federal e iria conseguir dinheiro para por em prática a façanha. Esse era um sonho, que pelo menos, ele alimentava até antes da operação da Polícia Federal denominada de Argentum.

O gestor é próximo do ex-prefeito preso de Prata do Piauí (foco da operação da PF) e parente de Vitor Neto, foragido da PF – proprietário das empresas que recebiam vultosas somas de recursos da prefeitura de Novo Oriente quando o prefeito era o próprio Marcos Vinícius.

Argentum: empresário se entrega à Polícia Federal após 45 dias foragido

Após sustentar perante o Superior Tribunal de Justiça (STJ) que não se entregava porque considerava o mandado de prisão “ilegal”, o jovem empresário de 25 anos, Vitor Alves Cardoso Neto, finalmente teria se entregado à Polícia Federal último domingo (10).

Ele se apresentou de livre e espontânea vontade em meio à repercussão do caso. A informação foi confirmada por duas fontes, uma próxima ao então foragido.

Por determinação judicial Vitor Neto deveria ser recolhido à penitenciária Irmão Guido. Havia contra ele um mandado de prisão preventiva. Ele é suspeito de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e corrupção.

Vitor Neto passou cerca de 45 dias foragido, a contar do seu mandado de prisão preventiva, que embora já estivesse de posse da Polícia Federal, a instituição só foi a campo em 26 de outubro com a deflagração da Operação Argentum. Logo depois a prisão passou de temporária para preventiva. 

Nesse meio tempo o empresário chegou a questionar a operação da PF, inclusive tentando retirar o caso do âmbito da Polícia Federal e da Justiça Federal, anulando assim todos os atos praticados até então.

Nem a Polícia Federal e nem a Secretaria de Justiça do Piauí confirmaram a informação de que o jovem se entregou.

A Operação Argentum foi deflagrada para prender supostos envolvidos em desvio de R$ 2,7 milhões de recursos da educação, que pertenciam à prefeitura de Prata do Piauí.

Fonte: 180GRAUS 

 

Compartilhe

Deixe seu comentário