Valença do Piauí, 20 de jan, 2022

Governo do estado lança aplicativo Acorda Cinderela

Solenidade na capital
Solenidade na capital

“O estupro coletivo é muito mais comum do que pensávamos”, declarou a vice-governador Margarete Coelho no lançamento do aplicativo “Acorda, Cinderela” nesta terça-feira(22), no Salão Azul do Palácio de Karnak. Segundo ela, esse tipo de violência é o que menos deixa marcas no corpo da vítima, mas em geral causa impactos psicológicos e estar relacionado aos crimes de vazamento de conteúdo íntimo.

“Vamos lembrar o caso de Sigefredo Pacheco, em que a moça só soube que foi vítima de violência sexual quando viu os vídeos nas redes sociais. Esse tipo de crime não deixa marcas no corpo, porque a vítima está desacordada e na maioria das vezes usam drogas para que as vítimas não ofereçam resistência”.

A delegada Vilma Alves estava presente na solenidade, ao lado da subsecretária de Segurança, Eugenia Villa, da delegada Anamelka Cadena, coordenadora estadual de políticas publicas para mulheres, Haldaci Regina e do delegado geral de polícia, Riedel Batista.Vilma disse que o momento é de comemorar a possibilidade de garantir poder a vítima.

“Com esse aplicativo é romper o ciclo do medo, em que a vítima é tão violentada, que assume até mesmo uma culpa que não é dela. Com essa ferramenta, ela finalmente vai ter coragem de denunciar”, disse Vilma Alves.

O secretário de Segurança, Fabio Abreu, destacou que os crimes relacionados ao “Boa Noite, Cinderela”, são sempre de natureza sexual e as vítimas são mulheres. Ele explicou que os índices do golpe não são altos no Piauí, mas que as consequências são graves quando acontecem e o objetivo é prevenir.

Apesar disso, o 10º Anuário de Segurança Pública divulgou que o Piauí registrou aumento de 12% nos casos de estupro de 2014 para 2015. Foram mais de 530 registros no ano passado. O secretário chegou a comentar que esse alto índice desrespeito a maior divulgação dos casos e sua alta resolutividade. Fábio Abreu afirmou que todos os envolvidos em estupro no Estado, estão presos.

“Não queremos trabalhar depois que esses índices aumentarem. Nosso objetivo é que esses crimes nem aconteçam, queremos reafirmar nosso compromisso no combate da violência contra a mulher”, declarou Fabio Abreu.

O aplicativo “Acorda, Cinderela” tem como objetivo fornecer auxílio às vítimas desse tipo de crime, para que denunciem os agressores e junto dele, o aplicativo Vazow, fornece informações para aquelas mulheres que tenham imagens íntimas divulgadas na internet.

Fonte: cidadeverde

0 Comentário