Portal V1

Ielva Melão afirma que Valença pode perder IFEPI por birra política

16/02/2011

Presidenta Ielva Melão

A presidenta da Câmara Municipal vereadora Ielva Melão (PPS) usou a palavra facultada da sessão desta segunda-feira (14) para lamentar os atropelos que estão acontecendo no município para construção do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Piaui (IFEPI), antigo CEFET. A vereadora afirmou que a cidade está prestes a perder a obra orçada em R$11 milhões por causa de disputa política das lideranças locais.

Segundo a presidenta o problema é gerado pelo prefeito Alcântara, que tenta adquirir um terreno de propriedade do empresário Rubens Alencar, que fica na saída da cidade via BR 316 sentido Picos. A prefeitura quer desapropriar o terreno, mais não há um consenso no valor oferecido pela prefeitura.

A vereadora explicou que hora de decidir o valor venal do terreno, a prefeitura cobrou um valor altíssimo e na hora da desapropriação quer pagar um preço insignificante. Ela disse que a prefeitura informou ao Legislativo que já tinha dado entrada no ano passado no p

lasix

rocesso de desapropriação, no entanto, um documento vindo do Cartório não confirma a versão da prefeitura.

A presidenta afirmou que se ofereceu para intermediar a compra de outro terreno, que fica nas imediações do terreno pretendido pela prefeitura, mais o prefeito cismou em querer ficar com o terreno do empresário como forma de colocar a sociedade contra seu adversário político.

Ela pediu a ajuda dos colegas para não deixar que a cidade perca essa obra que irá beneficiar toda a região. Ao final ela disse que caso a cidade de Valença perca o IFET, a culpa é do prefeito municipal. O portal v1 apurou que recentemente foram vendidos nas imediações do terreno, dois hectares e meio e o valor negociado foi de pouco mais de R$ 50 mil reais. Informação extra-oficial dão conta que a prefeitura ofereceu R$ 15 mil reais em seis hectares.

Ouça parte do pronunciameno da vereadora

zp8497586rq
Compartilhe

9 Comentários

  1. Leda Gomes em 16/02/2011 às 16:11

    Parabéns a vereadora Ielva Melão ela mostra com sua preocupação que realmente é uma pessoa diferenciada na política. Além de mostrar o problema que é gravíssimo ela apontou a solução. Que bom se todos fossem assim. Acho que esse problema deveria contar com uma maior sensibilidade do prefeito. Esse desabafo deveria ser de todos os vereadores uma vez que é claro a intenção do prefeito em criar uma situação desconfortavel para o empresario, que ao meu modo de ver está certo em nao vender um terreno que vale uns 100 mil por 15 mil reais. Infelizmente nossa cidade não tem um Ministerio Publico forte e independente para resolver essas questões. A prefeitura só ta pensando na eleição do próximo ano em eleger o Walfredo Filho que não consegue nem gerir uma secretaria de saúde. Parabéns vereadora fico na torcida pela sua gestão a frente da câmara municipal.

  2. Daniel Sousa em 16/02/2011 às 16:13

    Cara, eu já falei aqui nesse site uma vez e volto a repetir. O governo municipal não tem o menor interesse de fazer essa escola em Valença, e não vão fazer mesmo, e como isso vai prejudicar a eles no próximo ano, então inventaram essa conversa de que só serve aquele terreno, oferecem um valor ridículo no terreno, justamete para o dono não aceitar a venda e vai terminar do jeito que eles querem, jogar a culpa da má administração nos outros.
    PRONTO FALEI!!

  3. Vera em 16/02/2011 às 16:47

    Enquanto estiverem com essa birrinha besta, Valença não cresce e o progresso que é bom vai ficando sem existir, pois parece q nenhum dos dois está interessado em ver a cidade crescer…
    É uma pena!Pois Valença precisa de muito mais.

  4. Francisco Marcos em 16/02/2011 às 22:05

    Acredito, que o povo valenciano já tá cansado da imaturidade desse prefeito, que leva sua posição pessoal, ferindo o principio da impessoalidade como consta no art. 37 da Constiuição FEDERAL, frente à benefícios importantes,como o IFET, que sem dúvida pode alavancar o crescimentos da cidade, que aliás tá se afundando cada vez mais. A hora prefeito, é cumprir é com o que senhor prometeu em campanha (lembra de quando o senhor achava o povo valencinao importante) agir, ou se não valença terá o direito que o povo egípicio teve — retirou seu presidente do poder.

  5. márcia em 17/02/2011 às 17:57

    Prefeito que vergonha, mais uma vez a cidade perde por conta de uma politicagem suja e nojenta, pode ser que agora o povo aprenda e nas proximas eleições elejam o representante do prefeito, e mas ele não se na construção do IFPI porque assim a população cresce culturalmente!A vereadora Ielva, os Parabéns pela atitude, e prefeito mais uma vez isso é vergonhoso! Como gostaria de Valença crescendo socialmente e culturalmente

  6. francisco otavio em 18/02/2011 às 10:56

    Por briga politica que a cidade nunca vai para frente, é necessário que o povo aprende de uma vez por todas a votar. A cidade esta acabando uma obra desta importancia Valença não pode perder seria um grande retrocesso. Estamos proximos das eleições a cidade necesita dar um bsta em tanta coisa errada, vamos ser mais consientes na hora de votar valenciano.

  7. Aílton Carvalho em 18/02/2011 às 20:04

    Quanto ao caso da briga política por causa da obra, todos são sabedores de que o prefeito Dr. Alcântara não deixa ninguém invadir o seu espaço, nem que para isso a cidade perca uma obra de tamanha vultuosidade, como é o caso do IFPI. Só quem perde é a cidade que fica nesse atraso que já passa de duas décadas. Pasmem!!

  8. Jefferson em 19/02/2011 às 08:23

    Como professor do IFPI sei da importância desta instituição, que inicia com a formação técnica, e traz também cursos de nível superior. Trabalho no IFPI do sul do estado, mas na região de Valença ele é imprescindível. É uma pena que Alcântara se preocupe apenas com a política do pão e circo da época romana. Onde privilegia festas e merenda escolar rsrsrs

  9. Ceiça em 19/02/2011 às 13:23

    O prefeito, em época de campanha, diz se preocupar com a população, mas é o primeiro a prejudicar-la. Nós queremos estudar.