Valença do Piauí, 09 de dez, 2021

Botânico Genilson Alves descobre planta observada pela 1ª vez no Piauí

A espécie Erechtites hieracifolius (L.) Raf. ex DC (foto), foi observada pela primeira vez no Piauí
A espécie Erechtites hieracifolius (L.) Raf. ex DC (foto), foi observada pela primeira vez no Piauí

O bacharel em ciências biológicas e mestre em botânica Genilson Alves dos Reis Silva realizou no sitio arqueológico do Buritizal em Valença distante 20 km da sede de Valença do Piauí uma pesquisa para mapear a existência de espécies de plantas na região dos cerrados para contribuir com um movimento mundial que tem por finalidade a elaboração de uma lista de plantas de cada país como explica o botânico. “Esse movimento se chama Estratégia Global para a Conservação de Plantas (GSPC), estabeleceu 16 metas como, por exemplo, a elaboração de uma lista funcional e amplamente acessível de plantas de cada país, como um passo para a elaboração de uma lista completa da flora mundial” afirmou.

Genilson Alves lamentou a falta de apoio que esse movimento vem tendo no Piauí. “Infelizmente nem todas as atenções necessárias têm se voltado ao estado do Piauí para esse projeto, talvez seja pela falta de mão-de-obra capacitada ou falta de interesse de quem deveria liderar esse movimento” disse.

Em sua pesquisa o botânico estudou a família das plantas conhecidas cientificamente por Asteraceae presentes no Cerrado/Caatinga no município de Valença do Piauí. Ele explicou o motivo da escolha. “A escolha desta família de plantas em especial se deve a sua grande utilização pelos seres humanos, como alimentícias podemos citar a carqueja, alface o girassol; mais amplamente como ervas medicinais, como por exemplo, o agrião, camomila” disse.

De acordo com Genilson Alves foram encontradas 15 espécies desta família, além da espécie Erechtites hieracifolius (L.) Raf. ex DC (foto), que foi observada pela primeira vez no estado do Piauí, tal fato reforça a importância da conservação da biodiversidade ocorrente no sítio arqueológico Buritizal, assim como a transformação do mesmo em área de preservação ambiental. O estudo será apresentado em outubro durante o XI Congresso Latinoamericano de Botânica, que é realizado a cada quatro anos pela Asociación Latinoamericana de Botânica, na cidade de Salvador.

0 Comentário