Valença do Piauí, 20 de maio, 2024

Conheça a história de Benícia: mãe que há 27 anos faz caminhada com o filho deficiente visual

O amor de mãe que transforma hábitos e vence desafios. O Portal V1 neste Dia das Mães resolveu trazer a história de uma mãe que acompanhada do filho é sempre vista pelos praticantes de caminhada, corrida ou mesmo transeuntes que hora ou outra trafegam pela avenida Joaquim Manoel em Valença do Piauí e cruzam com senhora fazendo caminhada de mãos dadas com o filho.

Benícia da Cunha Brito, de 61 anos, há quase três décadas incluiu diariamente a atividade física na sua rotina e na vida do seu filho primogênito Tércio da Cunha Brito, hoje com 41 anos. Tércio é deficiente visual e sempre esteve sob os cuidados da mãe, que além dele tem mais dois filhos, Tarcío da Cunha Brito com 39 e Taciano da Cunha Brito, de 37 anos.

Dona Benícia é natural de Pimenteiras, mas mudou-se para Valença com o marido e os filhos, na época ainda adolescentes. A mãe de Tércio conta quando conheceu o marido Tiagua Antônio de Brito. “Eu conheci ele com 15 anos de idade, com 19 anos nós casamos, eu me casei com ele”, relata dona Benícia que com 20 anos deu à luz ao seu primeiro filho.

Ela conta que com poucos dias de nascido veio o diagnóstico que o filho tinha problema na visão e que precisava passar por uma cirurgia, como a família não tinha condições a mesma pediu ajuda e assim conseguiu arrecadar o valor doado por pessoa simples assim como eles e que sabia a importância de ajudar o próximo, mas infelizmente diante de um especialista na cidade de Picos recebeu a notícia que a cirurgia pouco mudaria a situação do seu filho que em um curto espaço de tempo retornaria para sua condição atual, fato esse que a fez desistir do procedimento.

Para Benícia esse foi um dos momentos mais difíceis de sua vida, mas que sua fé e o próprio filho com sua resignação a fez seguir e aceitar a condição dele. Já residindo no município valenciano e com os filhos adolescentes, Benícia relata que resolveu fazer caminhada com Tércio que vivia sempre muito parado, andando apenas dentro de casa. Com isso, ambos pegaram gosto pela atividade que até hoje faz parte das suas rotinas de segunda a segunda.

Benícia ainda nos conta que matriculou o filho no colégio Cônego Acelino quando ele tinha 20 anos, mas que diante das dificuldades de levar e trazer, além do pouco desenvolvimento do filho, o mesmo deixou de frequentar a unidade de ensino. Mesmo com as dificuldades normais de uma família simples que vivia do trabalho do marido e dos outros filhos, a dona de casa sempre se dedicou aos cuidados da casa, do esposo e dos filhos, especialmente de Tércio pelas suas necessidades especiais.

O grande baque para Benícia veio em julho de 2011 com o adoecimento do esposo, diagnosticado com leucemia e que logo teve a vida ceifada pela doença. “Ele dizia que não podia morrer, não podia porque tinha esse menino desse jeito e o menino precisava muito dele”, narra dona Benícia a preocupação que o marido tinha em partir por conta do filho especial. É com lágrimas nos olhos e voz embargada que a mesma diz nunca ter superado a perda do companheiro, dedicando-se mais ainda depois disso em ser a mãe e avó amorosa que seus três filhos e agora três netos precisam.

Mesmo com todo sofrimento, dona Benícia agregou mais uma atividade física na sua vida, ela passou a pedalar. “Eu tenho esse momento só pra mim porque à tarde eu faço caminhada com o Tércio, aí de manhã eu vou pedalar, vou refletindo só com Jesus, só eu e Jesus, ou mais é maravilhoso, pense como eu gosto, eu amo minha pedalada”. Todo esse movimento rende a ela e ao filho ótimas taxas nos exames de rotina, comprovando a importância da atividade física na vida de cada um de nós.

Benícia é uma católica fervorosa, participando assiduamente aos domingos da Santa Missa na capela de São Raimundo Nonato juntamente com seu filho Tércio, companheiro de caminhada e de fé.

Mesmo com muitos desafios e situações difíceis, dona Benícia explica que o amor que tem pelos filhos é o que dá força para seguir lutando. “Eles são as bênçãos de Deus pra mim, todos os três são bênçãos, se não fosse meus filhos eu não estaria mais aqui, eu tenho certeza que não estava”.

A história da dona Benícia contempla muito bem a celebração do Dia das Mães, contamos a vida de uma mulher que fez e faz tudo pelo bem-estar dos filhos, mas também queremos chamar atenção para a valorização e cuidados que estas mulheres/mães tanto precisam. Dona Benícia tem como afago o carinho e amparo dos filhos que assim como ela aprenderam a importância do cuidado com a família.

 

1 Comentário

Raimundo Nonato da Silva Cunha

Essa aí é guerreira além de cuidar dos filho e da casa como todo ainda cuidou dos nossos pais até o ultimo dia

13 maio, 2024 Responder