Valença do Piauí, 04 de dez, 2021

Ex-delegado de Valença terá que passar por exame de insanidade

Ex-delegado de Valença Clayton Doce Alves Filho
Ex-delegado de Valença Clayton Doce Alves Filho

A Justiça determinou que a Corregedoria da Polícia Civil do Piauí suspenda todos os processos administrativos contra o ex-delegado de Valença Clayton Doce Alves Filho, até que uma perícia constate de ele possui sanidade mental para responder pelas acusações. A decisão não coloca em liberdade o delegado, preso no dia 19 de março acusado de  de peculato, falsificação de documentos e corrupção ativa.

Ex-delegado nos municípios de Piripiri e Campo Maior, Clayton Doce já respondia a três processos administrativos antes de sua prisão ser decretada. Em maio do ano passado, ele recorreu, com sucesso, da decisão que o afastava das funções – uma liminar foi concedida e o processo continua tramitando.

Entre as acusações contra o delegado estão desvio de energia e fraude em prestação de contas. A Corregedoria pede a expulsão de Clayton Doce da corporação.

A defesa do delegado afirma que Clayton Doce desenvolveu depressão e esquizofrenia, constatadas em perícia médica, que lhes renderam licenças para tratamento de saúde. Os argumentos foram aceitos pelo juiz Aderson Antônio Brito Nogueira, juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública de Teresina (PI).

“Constato, pela documentação acostada, que o suplicante está sendo submetido a processo administrativo disciplinar que pode resultar em sua demissão, bem como que o interessado não possui capacidade plena para a prática dos atos da vida civil, conforme mostram os laudos periciais. Na realidade, a perícia comprova que o autor contraiu doença mental após a instauração do processo administrativo, devendo, portanto, o mesmo ser suspenso até que se conclua o exame de sanidade mental”, diz a decisão do juiz. Clayton Doce esteve a frente da delegacia regional de Valença em 2008.

Colaboração: cidadeverde

 

0 Comentário