Valença do Piauí, 17 de out, 2021

Francivando Rosa diz que é Fake News a noticia sobre estar com Covid-19

Luís Francivando Rosa

O advogado Dr. Luís Francivando Rosa comentou nesse domingo (29), as informações divulgadas em redes sociais dando conta que o mesmo teria testado positivo para o coronavírus. A manifestação veio após a circulação de áudios em grupos de Whatsapp.

De acordo com o advogado, que reside atualmente em Brasília e passa esse momento de quarentena em Valença junto a seus familiares, afirmou que a informação é uma Fake News. Ele enviou uma nota ao Portal V1 relatando os cuidados e as medidas adotadas por ele até chegar em Valença.

O advogado não está sozinho nessa relação criada pelas redes sociais em Valença, além dele a advogada Drª Martalene Silva também viveu esse mesmo processo, assim como outros casos circulam com muita força nas redes sociais em nosso município, provocando uma histeria virtual ao apontar nomes e até a circulação de áudios onde as pessoas se passam por profissional saúde enumerando casos de Covid-19 em Valença.

De acordo com dados da Secretaria Estadual da Saúde divulgados nesse sábado (28), Valença continua sem nenhum caso de coronavírus. Veja a ministração do advogado.

Nota a Imprensa

Venho Informar e esclarecer a população valenciana, diante de Fake News e da má fé de alguns que espalharam áudios em grupos de whatsapp, contendo informações falsas a meu respeito.

Como todos sabem, é fato público e notório que hoje resido em Brasília-DF, há mais de um ano, e que no momento, diante a pandemia mundial que paralisou todas as atividades econômicas e impôs isolamento social à toda a sociedade, vim para cidade de Valença do Piauí-PI, minha terra natal, onde reside minha família.

Informo que me encontrava em isolamento no meu apto em Brasília desde o dia 15 de Março de 2020, diante do avanço da escala epidemiológica no mundo e que dia 19 de Março de 2020, (há exatos dez dias) peguei o voo para o Piauí, onde passei 03 (três) dias em isolamento na cidade de Teresina, (por cautela, pois tenho pais idosos e estive em um ambiente de Aeroporto Internacional) e só então vim para Valença do Piauí, chegando exatamente na noite do dia 21 de Março de 2020.

Hoje, me encontro em vida normal, em minha residência trabalhando em regime de teletrabalho, bem como nos processos virtuais de minha competência, enquanto a preocupação de alguns é de criar alarde através de fake News.

Informo que até o presente momento o único sintoma que apresentei foi tosse produtiva no quarto dia no Piauí, sintoma de gripe comum, sendo que no presente momento, a mesma inexiste, pois tomei os remédios competentes para curá-la, jamais apresentei febre, e tive uma leve falta de ar, problema este que já tive em várias oportunidades que tive gripe, e que no momento cessou com medicamento.

Reforço que moro num setor em Brasília que não possui caso confirmado, não tive contato com nenhuma pessoa que foi diagnosticada com a COVID 19 e não possuo o quadro de sintomas característicos para o Indicativo do Exame, conforme atestaram meus médicos. Apesar disso, me encontro em isolamento, inclusive sem contato com minha família, por questão de bom senso, e é isto o que todos que apresentarem sintomas de gripe devem fazer, se isolar e proteger os mais idosos.

Gripe se cura, (e a minha está quase lá), falta de caráter é mais difícil! Querer causar pânico na cidade, utilizando-se do meu nome, num momento delicado como este, falando de situação que não conhece e não existe é de uma falta de humanidade que salta aos olhos, além de crime! Os áudios serão encaminhados às autoridades para identificação e responsabilização dos envolvidos.

Seguirei nas minhas precauções, como todos devem seguir, estando gripados ou não, no meu isolamento social, seguindo as orientações das autoridades de saúde.

Como membro da Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal da OAB, cobro responsabilidade das nossas autoridades neste momento de crise, e das pessoas cobro respeito e humanidade com todos, sobretudo com nossos irmãos nordestinos que precisam se aventurar, muitas vezes em ônibus clandestinos, para voltarem para sua terra neste momento delicado. Não é momento para preconceito! Esse vírus veio para demonstrar o quão pequenos e iguais nós somos, e apesar de grandes gestos de solidariedade que vemos, infelizmente ele veio para lado ruim de muita gente.

Que Deus esteja com todos nós, que sejamos responsáveis nos conteúdos que publicamos, o momento é de reflexão e cautela. Fiquem em casa. Permaneçamos afastados agora, para que possamos nos abraçar mais adiante.

Luís Francivando Rosa

De Valença do Piauí-PI, 29 de Março de 2020.

Advogado. Membro da Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB.

0 Comentário