Valença do Piauí, 21 de jan, 2021

Músico passa por vexame no Congresso Nacional

senador Eduardo Suplicy e o musico Chambinho do Acordeon

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) fez o o músico Chambinho do Acordeon passar por momentos de constrangimento nesta segunda-feira (5) no Congresso Nacional. Isso porque o senador chegou ao plenário com Chambinho, vestido de gibão e chapéu de couro, assim como Luiz Gonzaga, que ele interpreta no cinema. O senador disse que o ator, que também é acordeonista, iria se apresentar ali mesmo para um público de poucos parlamentares.

Presidindo a sessão, o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) brecou a iniciativa, alegando que o regimento proíbe apresentação de terceiros no plenário. “Não tem amparo regimental, não é o momento”, alegou.

Suplicy insistiu, mencionando outras homenagens que ali foram feitas. Mozarildo lembrou que o fato se deu em sessões especiais, próprias para homenagens. “Vossa excelência pode requerer uma sessão solene em que o ouviríamos com muito prazer. Este não é o momento regimentalmente adequado”, reiterou.

Sem saída e incentivado pelo senador, completamente sem graça, Chambinho terminou dando um show relâmpago do lado de fora, encostado ao plenário.

O uso do plenário para atos promocionais levou o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) a apresentar, no início do ano, projeto de resolução proibindo as sessões de homenagens nos dias de sessões normais do Congresso. A farra das louvações chegou a tal ponto que raro era o dia em que não ocorriam. Aloysio apontou a existência de “um certo mal-estar entre os senadores com a banalização das homenagens”. “Temos tido sessões solenes todas as semanas. Isso é ruim para o Senado, desmerece o Senado, desmerece a atividade política dos senadores ocuparmos nosso tempo, o horário nobre do Senado, com sessões solenes, por mais meritórios que sejam os homenageados”, protestou ele, na ocasião.

 

Fonte: Ig

0 Comentário