Portal V1

Piauí teve 12 casos de microcefalia e quatro suspeitas em três semanas

12/11/2015
Ministro da saude Marcelo Castro

Ministro da saude Marcelo Castro

O Piauí teve 10 casos de microcefalia em recém-nascidos e dois intrauterinos, além de quatro em investigação, somente nas três últimas semanas, na Maternidade Dona Evangelina Rosa. A confirmação foi dada pela Secretaria Estadual de Saúde. Por determinação do secretário de Estado da Saúde, Francisco Costa, a equipe de Epidemiologia deve investigar se a ocorrência de outros casos de microcefalia nos hospitais da rede pública estadual do Estado.

Até outubro de 2015 foi notificado, no Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos, apenas um caso de microcefalia no Estado. Na série histórica, de 2013 a 2014, foram quatro e seis casos confirmados, respectivamente.

Por ser um agravo inusitado, ou seja, de desconhecida causa, e diante do Alerta Epidemiológico emitido pelo Ministério da Saúde, a Secretaria de Saúde vai montar uma comissão para investigação dos casos, elaborar plano de ação e criar protocolo de atendimento. Os trabalhos iniciais ocorrerão a partir desta sexta (13), envolvendo técnicos da Secretaria de Saúde.

Uma das suspeitas do Ministério da Saúde é que o aumento dos casos de microcefalia esteja relacionado à contaminação das mães pelo zika.

Transmitido pelo Aedes aegypti, o mesmo mosquito vetor da dengue, o vírus causa conjuntivite, dor em articulações, febre em variados graus, dor de cabeça e manchas pelo corpo.

A neonatologista Isabel Almeida, da Maternidade Evangelina Rosa, afirma que os casos de microcefalia já estão sendo investigados na unidade e em outras maternidades de Teresina.

“Nós estamos seguindo o protocolo enviado de Recife, que foi escolhido como referência pelo Ministério da Saúde por ter sido o primeiro Estado a investigar o aumento no número de casos de microcefalia. Por enquanto, ainda estamos colhendo informações e realizando exames. Por isso é muito cedo para determinar se existe relação entre esse fato e alguma patologia”, afirma a médica.

De acordo com Isabel Almeida, tanto as mães quanto os bebês estão sendo submetidos a exames de sorologia para identificar pelo menos 15 doenças, como dengue, zika, chikungunya, toxoplasmose, citomegalovirus, rubéola, herpes, dentre outras.

Além disso, também estão sendo realizados exames de urina, e os recém-nascidos estão sendo submetidos a tomografias do crânio.

Todas as informações coletadas serão analisadas por uma equipe formada por um infectologista, por um neurologista e pela neonatologista Isabel Almeida.

Além das doenças que possivelmente podem provocar a microcefalia nos bebês, as equipes médicas também estão apurando se ele pode estar relacionado ao uso de algum medicamento ou de drogas. Porém, de acordo com Isabel Almeida, o mais provável é que o problema esteja sendo causado por alguma infecção contraída pela mãe.

“Devemos ter o resultado desses exames dentro de oito a dez dias, e aí poderemos analisar melhor esses casos e avaliar o que estaria provocando esse aumento dos casos de microcefalia”, conclui a neonatologista.

Microcefalia

Denomina-se microcefalia num nascido vivo como a ocorrência de crânio pequeno congênito. Essa anomalia é definida por um perímetro cefálico abaixo do padrão das curvas apropriadas para idade e sexo. Um perímetro cefálico baixo indica, de modo geral, um cérebro pequeno.

Cerca de 90% das microcefalias estão associadas com retardo mental, exceto nas de origem familiar que podem ter o desenvolvimento cognitivo normal. A microcefalia pode resultar de alterações genéticas, doenças metabólicas, isquemia uterina, uso de medicamentos, álcool ou de drogas pela mãe e por infecções durante a gravidez.

As principais infecções congênitas associadas à microcefalia são: Toxoplasmose, Rubéola, Citomegalovirose, Sífilis e Herpes vírus.

Fonte: O DIA

Compartilhe

Deixe seu comentário