Portal V1

Robert nomeia delegado para apurar morte de vaqueiro

03/02/2012

Vice-prefeito Afonso Sobreira, presidente do Sindicato José Estevam e deputada Flora Isabel

O crime que vitimou o vaqueiro José Vieira da Silva Filho, Coró, e chocou a população de Novo Oriente, na região de Valença, no último sábado (28), teve ampla repercussão na Secretaria Estadual de Segurança. Nesta quinta-feira (2), a pedido do vice-prefeito do município, Afonso Sobreira, da deputada Flora Izabel, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais e de familiares, o secretário Robert Rios determinou a nomeação de um delegado especial para apurar o caso e adotou medidas que podem resultar na prisão dos policiais acusados do assassinato.

Após a reunião da comissão com o secretário Robert Rios, o Delegado Geral da Polícia Civil, James Guerra, colocou um escrivão para obter o depoimento de uma das testemunhas do crime na própria Delegacia Geral, em Teresina, e ordenou o delegado de Valença a ouvir, nesta quinta-feira, mais 6 testemunhas do crime bárbaro contra o vaqueiro por causa de um boi de seu patrão que entrou na fazenda de Margarida De Sousa.

Testemunhas contam que o vaqueiro Coró foi até a fazenda para buscar um boi de seu patrão que havia entrado na fazenda da Margarida. Como a proprietária não concordou com a entrada do vaqueiro na propriedade, houve uma breve discussão. Logo que Coró saiu, os policiais foram chamados pela dona da fazenda. O rapaz foi encontrado por eles debaixo de uma árvore que fica fora da área da propriedade onde houve a discussão. Segundo as testemunhas, o vaqueiro tentou correr após o primeiro tiro dado por um dos policiais, mas como estava com perneiras e esporas, não teve agilidade para fugir e terminou sendo alvejado e morto com vários disparos.

Após a audiência com o delgado James Guerra, a comissão, acompanhada do advogado Daniel Oliveira, foi à Corregedoria da Polícia Militar e à Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil no Piauí (OAB-PI), para pedir uma apuração rigoroso sobre o caso e a punição dos policiais responsáveis.

“O secretário de Segurança Pública, Robert Rios, determinou uma apuração rigorosa sobre o crime e adotou medidas que vão ajudar a esclarecer o assassinato do vaqueiro e garantir a punição dos culpados. O secretário já determinou a nomeação de um delegado especial para o caso, recolhimento das armas usadas pelos policiais no dia do crime e pedido de prisão dos culpados pela morte do rapaz. Este crime não pode ficar impune. Quem cometeu essa barbaridade têm de irem para a cadeia. A população está chocada e ninguém mais acredita na política que atua no momento lá”, falou a deputada Flora Izabel.

No próximo sábado, pela manhã, os moradores de Novo Oriente vão realizar uma manifestação em homenagem ao vaqueiro e pedir justiça e punição dos policiais acusados pelo crime. Além disso, os manifestantes vão pedir intervenção dos órgãos do município, para que a cidade volte a ter a tranqüilidade de antes. O vice-prefeito Afonso Sobreira disse que o crime gerou grande insegurança no município. Segundo ele, a população não tem mais como recorrer aos policiais que atuam na cidade.
Fonte: portalaz

Compartilhe

10 Comentários

  1. Lima em 03/02/2012 às 11:13

    Estes policiais tem que ser punidos com o rigor da Lei. E estes policiais devem ser expulsos da Corporação.

    • Francisco Borges em 05/02/2012 às 13:05

      Vc é da mesma linha partidária, portanto não possui autonomia, crédito ou conhecimento dos fatos para emitir tal opinião!

    • Eva Maria em 05/02/2012 às 13:57

      Concordo…………

  2. Marcos Roberto em 03/02/2012 às 11:54

    Alguns pontos da matéria necessitam ser esclarecidos:
    1_Estão se aproveitando de um momento de fragilidade e confusão para se aproveitarem “politicamente” da situação, é avelha estória do lobo em pele de cordeiro, o indivíduo permanece inerte por 4 anos e agora quer tirar proveito de uma situação para aparecer;
    2_Os policiais não estão sendo formalmente acusados de “assassinato, barbárie ou crime brutal” em virtude de ainda existir um inquérito em andamento (procedimento este normal);
    3_A matéria cita que “o vaqueiro” foi “morto por vários disparos”o que é uma inverdade, pois de acordo com o laudo do IML, o mesmo veio a óbito em “virtude de um único e não vários disparos”;
    3_Há de se lembrar de que o “citado vaqueiro”( percebe-se aqui na matéria do Portalaz uma conotação de inferioridade aparente)possuía um histórico de agressões,badernas, inclusive já havia lesionado com arma branca uma outra pessoa, bem como já havia sofrido sanções pelo Poder Judiciário;
    4_O fato desde o início já está sendo apurado, procedimento este normal dentro da atividade da Polícia Judiciária;
    5_É importante frisar que o agente de segurança (policial)nessas situações, é resguardado pela própria legislação penal brasileira (Código Penal),quando a mesma “afirma”que não há crime quando o agente age em legítima defesa,no exercício regular de um direito ou ainda no estrito cumprimento do dever, são as chamdadas “excludentes de ilicitude”;
    6_Ademais, a cidade de Novo Oriente sempre foi ordeira, pacata e ao contrário da matéria não vive nenhum clima de intranquilidade e nem a população deixou de confiar nos policiais que lá atuam, posto que o Comandante que lá atua, goza de prestígio, idoneidade e conduta ilibada, é bom deixar claro mais uma vez que, nas entrelinhas, existe um forte jogo político, estão querendo se aproveitar da situação para “entrar em evidênciam às vésperas de um período eleitoral!. E aquela velha estória do defunto que quer ressuscitar!
    7_É sempre importante a população, bem como os leitores se informarem sobre a veracidade dos fatos, interesses envoltos, bem como o que diz a lei nesses casos, afim de que não se deixem induzir por disse me disse, conversas de esquina ou coisas do tipo, pois agindo assim, continuaremos sendo presas fáceis de pessoas inescrupulosas, desonestas e que buscam apenas seus próprios interesses espúrios.

    • geane vieira em 04/02/2012 às 14:28

      O fato é que querendo aparecer ou não, tá fazendo a coisa certa, acionou a justiça para q não apareça metidos a advogados q façam esse tipo de defesa. Q a justiça a quem cabe esse papel, o faça!!!!!!

  3. Neto Tenório em 03/02/2012 às 17:39

    Meu irmão se não cortar o mal pela raiz, vai nascer um pé de mata mata e ninguém é punido. Esse cara ai ja tem fama de valentão em Novo Oriente, mas nunca achou alguém pra acertar o bixin…tomara que se faça justiça, isso não pode ficar assim, cadeia para os culpados.
    Como pode acontecer isso, o policial atira no pé do cara e simplesmente depois o executa, não tave nem de plantão, certamente estava zangando porque estava de folga e foi convidado pra acompanhar os demais.

  4. Ricardo em 04/02/2012 às 13:56

    Podem até estarem se aproveitando do periodo politico, então eu dou graças a Deus ou então esse caso seria esquecido e estas pessoas continuariam aqui botando medo em nossa gente.
    e aqui a tranquilidade realmente não se tem mais e temos pavor daqueles a quem era pra nos defender, não temos mais a que pedir ajuda e jovem que nos deixou desta formal tão horrivel não lesionou ninguem ele é que foi lesionado o mesmo já tinha levado uma furada. a um tempo atrás e não hera nem um bandido. badido é o fernandinho beira mar e nem por isso matam ele.
    desde de já sabiamos que estava sendo apurada mais se não fosse a politicagem talvés essa familia não tivesse ajuda nenhuma e tudo seria esquecido…

  5. Eva Maria em 05/02/2012 às 13:51

    Espero que haja justiça ,ate pq policia e para defender e nao para MATAR e ai como fica a populaçao

  6. Geminiano em 06/02/2012 às 12:59

    Meus queridos comentaristas muitas vezes erramos por falar aquilo que não conhecemos ou julgamos sem o merito da questão, pois vejamos bem, não é necessariamente neste momento julgarmos os policiais que atenderam a ocorrencia naquela localidade em Novo Oriente-PI, e sim instaurar o competente Inquerito Policial para apurar as circunstancias dos fatos que vieram a fazer com que estes policiais militares tomassem aquela atitude de efetuar dispararo contra aquela pessoa que veio a Obito, pois com certeza tudo isto sera apurado e esclarecido atraves do Inquerito Policial, que esta sendo presidido por um Delegado e Um Oficial da Policia Militar do Piaui, nos da Policia Militar do Piaui, não somos maquinas de matar seres humanos como muitos pensão, somos homens capazes de distinguir o certo e o errado dentro da nossa profissão, não somos bandidos como muitos pensão somos homens que zelamos pelo bem comum de nosso povo. não permitindo que alguem da nossa sociedade venha a ferir o ordenamento Juridico feito para proteger todo o interesse daqueles que confiaram na formação do estado,que desse proteção a sociedade. ha familia da vitima tenha a esperança na Justiça como tambem os Policiais que atenderam a Ocorrencia naque dia temos que confiar na Justia e onde ouver o erro que pagamos sem remorço de que a Justiça não foi feita.

  7. Geminiano em 06/02/2012 às 13:40

    Eu não consigo entender o sinismo dessas pessoas que dizem serem politicos, pois em um momento de dor e desespero destas familias, eles aparecem como sendo os mais justos e salvadores da terra,pois vejam bem assim como a familia da vitima esta sofrendo a familia dos policias tambem estão sofrendo uma pela perda do ente querido a outra pela perda da liberdade e falta de sossego de seu esposo ou de seu pai, não fiquem pensando que nos policiais quando vamos atender uma ocorrencia poilicial ja saimos com a arma engatilhada pensando em matar ninguem, nos vamos pensando em intermediar o conflito, mas muitas vezas somos mal compreendidos e as pessoas que estam envolvida nas lides acham que nos viemos não para intermediar o conflito mas sim para brigar com as partes conflitante e ai é que vem o desrespeito as agressões por parte dessas pessoas, chegando acontecer isto que aconteceu entre os policiais e a vitima Coró. com relação a dona da Fazennda vejo que tudo é uma desaença politica entre Margarido e o Vice Prefeito, que por sua vez acionou o Estado quando alguem tentou invadir sua propriedade e por outro lado o proprietario do Boi não foi inteligente sufiente para acionar o Estado para reaver seu animal quando este fugio para a roça de Margarida, pois se tivessem agido assim estava bom para as duas familia dos que se envolveram diretamente no conflito que vitimou a pessoa do Vaqueiro Jose da Silva filho o Coró.

Deixe seu comentário