Portal V1

Veja tudo o que aconteceu no debate da TV cidade Verde.

21/10/2010
cenário da TV Cidade

cenário da TV Cidade

O primeiro debate no segundo turno entre os candidatos a governador do Piauí foi marcado pelo tom agressivo e firme, com um direito de resposta concedido para cada lado. Sílvio Mendes (PSDB) e Wilson Martins (PSB) estiveram em confronto direto em todos os blocos. Acirrado, o encontro foi acompanhado ao vivo na noite desta quarta-feira (20) através da TV Cidade Verde e Cidadeverde.com.

1º Bloco

O debate começou quente. Wilson Martins perguntou a Sílvio Mendes sobre assistência social. O tucano lembrou das vítimas da barragem Algodões I, rompida no ano passado, e foi repreendido. “Tá muito amargo, muito pessimista. Parece que não quer o Piauí melhor”, disse Martins. Sílvio reagiu, e afirmou que o adversário atende a orientação de marqueteiros para atacá-lo.

Ao falar de Saúde, Sílvio questionou o que foi feito nos últimos anos. Wilson acusou o ex-prefeito de não deixar projetos. “Não houve nenhuma evolução, nenhum avanço”. O tucano rebateu: “Candidato, você gaguejou e não respondeu. Você não fez uma obra aqui em Teresina. Não gagueje, responda!”. Wilson Martins pediu direito de resposta, negado por dois votos a um pela comissão de advogdos da OAB/PI.

O clima continou intenso com o tema Educação. Sílvio dissse que os telefones da secretaria foram cortados por falta de pagamento. Wilson reagiu acusando o ex-prefeito de deixar servidores terceirizados com pagamento atrasado e de devolver para o governo federal uma escola técnica, e disse que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso vetava escolas técnicas. O tucano lembrou que Wilson já foi filiado ao PSDB e votou em FHC.

No tema desenvolvimento econômico, Sílvio questionou sobre o atraso de pagamento aos fornecedores e obras paradas. Wilson rebateu com o problema da drenagem das águas superficiais de Teresina. O tucano contra-atacou. “Se tá equilibrado (finanças), por que não paga a quem tá devendo?”. A resposta foi no mesmo tom: “Olha quem vem falar de honrar a palavra. O senhor não tem honrado muito sua palavra, não”, falou Wilson ao se referir a salários atrasados de terceirizados. Ele afirmou preferir ter crédito e dever a ter dinheiro em caixa e não fazer.

2º Bloco

Com perguntas dos candidatos entre si, o clima de acusações continuou. 

Sílvio Mendes questionou quanto dinheiro tem e o que foi feito com o Fundo Estadual de Combate à Pobreza. Wilson citou obras e ações como distribuição de leite e cursos para formação de mão-de-obra. O tucano acusou desvio de conduta e perguntou por qual motivo os R$ 175 milhões não foram destinados às vítimas de Algodões. “Não lhe dói a sua alma, a sua consciência? Você dorme em paz com isso?”. 

Wilson respondeu: “a cada agressão que o candidato fizer eu vou responder com respeito ao povo do Piauí, com uma obra importante”, e prometeu 50 mil novas moradias. Acusado de faltar com a verdade, Sílvio pediu direito de resposta, negado por dois a um.

O tucano também perguntou o que Wilson Martins faz no governo além da campanha. “Estou fazendo a campanha do tamanho que eu posso fazer, da mesma forma que a lei me permite fazer. Da mesma forma que o candidato, que está dissimulando aqui, fez campanha para a reeleição (em Teresina)”. Sílvio Mendes disse que o candidato à reeleição não respondeu novamente. Wilson rebateu ao falar em 32 trechos de estradas, alguns, segundo ele, já inaugurados. 

3º Bloco

A última pergunta do bloco foi sobre Administração Pública. Wilson Martins falou dos investimentos do governo em 2002, que eram de R$ 90 milhões, e saltaram para mais de R$ 700 milhões em 2009. Sílvio Mendes acusou o Estado de ter parado a obra da ponte entre o Mocambinho e a Pedra Mole, e pediu que o candidato não viesse com “gracinhas”. O direito de resposta foi concedido por três a zero e Wilson negou a acusação.

Ainda no tempo destinado para a mesma resposta, Wilson Martins atacou Sílvio Mendes, que pediu direito de resposta aos advogados da comissão da OAB. O mesmo foi concedido por dois votos a um. O candidato do PSB o havia acusado de faltar com a verdade e ter deixado salários atrasados na Prefeitura de Teresina.

Segurança foi outro tema palpitante. Wilson Martins cobrou a criação da Guarda Municipal, prometida pelo então prefeito. Sílvio Mendes respondeu usando a lei como argumento, e afirmou que não usará o setor para trampolim político. Elogiou o programa Ronda Cidadão, mas cobrou a nomeação de policiais concursados. Foi a vez de Wilson dizer que Sílvio não respondeu e faltou com a verdade. Usando também a legislação, o candidato do PSB voltou a questionar a ausência da Guarda.

4º Bloco

Na última pergunta do quarto bloco, Sílvio Mendes voltou a questionar a segurança e fez um desafio a Wilson Martins: “Você abre mão dos votos dos piauienses que não acham a segurança boa e recomenda que votem em mim por protesto?”. O candidato do PSB respondeu: “Vocês prestaram atenção na dissimulação do candidato? Ele fala parecendo um santo, que só ele é honesto, que só ele sabe fazer as coisas corretas”.

A Saúde foi outro tema que voltou ao debate nas perguntas com tema livre. Sílvio Mendes questionou mais uma vez se seu opositor dorme em paz com as dificuldades do Hospital Getúlio Vargas e a falta de remédios excepcionais. Wilson se disse um homem feliz e realizado, e afirmou querer se reeleito governador para fazer “o que muita gente teve oportunidade de fazer e não fez. Quero que o Piauí não volte ao passado que teve”.

O começo do bloco foi outro ponto marcante. Wilson começou questionando Sílvio, que afirmava ser seu amigo e passou a atacá-lo no programa eleitoral, em especial no que diz respeito ao apoio do PTB. A pergunta não foi concluída no tempo. O tucano disse que já havia um encaminhamento para a aliança com João Vicente Claudino. “Você pode ter certeza que o mesmo Sílvio coerente. Não sou seu inimigo, sou seu adversário por convicção”.

 Fonte: cidadeverde.com

Compartilhe

1 Comentário

  1. Bernades em 21/10/2010 às 22:06

    Fica bem claro pelos debates, que o melhor é o Dr.Sílvio Mendes – 45!!!

Deixe seu comentário