Valença do Piauí, 19 de jan, 2021

Zózimo Tavares lança livro sobre o valenciano Petrônio Portela

Senador JVC  e Zozimo Tavares
Senador JVC e Zozimo Tavares

O jornalista Zózimo Tavares lançou na noite desta segunda-feira (28/02) o livro ‘Petrônio Portella – Grandes Vultos que Honraram o Senado’. O evento ocorreu no cine-teatro da Assembléia Legislativa e foi bastante prestigiado, com presença de autoridades da política local atual e do passado, além de personalidades dos ramos empresarial e jurídico.

De autoria de Zózimo Tavares, a obra foi apresentada pelo senador João Vicente Claudino (PTB), autor do requerimento que homenageia Petrônio e trata da biografia deste que é até hoje considerado o maior político de todos os tempos no Piauí. Dentre os que prestigiaram a solenidade, o prefeito Elmano Ferrer (PTB), os senadores JVC e Ciro Nogueira (PP), a deputada federal Iracema Portela (PP) e os deputados estaduais Firmino Filho (PMDB) e Evaldo Gomes (PTC).

‘Petrônio Portella – Grandes Vultos que Honraram o Senado’ é o volume de número 7 da coleção, que já publicou também as biografias dos senadores Teotônio Vilela, Darcy Ribeiro e Humberto Lucena, entre outros. Segundo o autor, o livro sobre Petrônio pe dividido em três partes. A primeira retrata o apogeu do biografado, que morreu em 1980, como ministro da Justiça. A segunda parte mostra como ele conseguiu se projetar em Brasília, onde exerceu dois mandatos se senador. Já a terceira conta como foi a atuação política de Petrônio no Piauí.

QUEM FOI PETRÔNIO
Em1954 foi eleito deputado estadual e em 1958 foi eleito prefeito de Teresina sendo um dos artífices da eleição de Chagas Rodrigues ao governo do estado. Entre 1971 e 1973 foi presidente do Senado Federal e presidente da executiva nacional da ARENA entre 1973 e 1975, acumulando esta última tarefa com a liderança do governo Emílio Garrastazu Médici no Senado e com a liderança de sua bancada. Reeleito senador em 1974 foi o condutor da chamada “Missão Portela”, o primeiro passo da política de “distensão gradual e segura” empreendida pelo presidente Ernesto Geisel em seus planos de abertura. Presidente do Senado Federal, pela segunda vez entre 1977 e 1979 foi alçado à presidência da Comissão de Relações Exteriores. Em razão de sua capacidade de articulação era apontado como um dos candidatos a sucessão presidencial pelo PDS, contudo faleceu em Brasília vítima de ataque cardíaco em 6 de janeiro de 1980.

Fonte: 180graus

0 Comentário